Archive for agosto, 2009

O tempo todo

Quando eu era criança, brincava de montar livros com as folhas de rascunho do trabalho do meu pai. Elas eram cheias de linhas retas. Achava divertido imaginar que meu pai ganhava dinheiro desenhando linhas retas e quadrados. Demorei para entender o duplo-sentido da palavra “planta” – principalmente devido a minha falta de interesse àquela mesa inclinada. De qualquer forma, nunca liguei muito para as linhas, assim mesmo montava meus livros. Inventava histórias, desenhava. Até o dia que meu pai fez várias cópias da minha arte e distribuiu entre meus amiguinhos. Parei. Mesmo com os elogios eu parei. Depois passei a escrever diários, eram mais seguros, por mais mongos que parecessem ao serem lidos anos depois. Para falar a verdade, até hoje escrevo. Mania. Na febre dos blogs, mantinha pelo menos 4 páginas online em conjunto com diversas amigas. Atualizava todos os dias algum recadinho cor de rosa. Mantinha meu marketing pessoal ativo. Coisa de pré-adolescente. Passei dessa fase (ufa!), mas permaneci com a mania de escrever. De repente, quando me dei conta tinha 1 caderno pautado de Física com todas as folhas preenchidas! Bem, a Física acabou ficando só na intenção, aula era boa mesmo era para divagar! Então me ferrei. Peguei final em todas as exatas e pela primeira vez troquei o lápis pela calculadora – ou só fiz os dois se conhecerem debaixo do meu teto… ou sobre o meu caderno?! Não importa. Peguei assim a mania de ler virtualmente. Peguei mania das “Garotas que dizem Ni”, da “Tati Bernardi”, do “2 neurônios”, da “Milla”. Quis então pegar mania de mim mesma… Será que dá?! Deu. Virei fãzona do meu blog. Descobri que podia escrever nele tudo o que quisesse! A maior mentira do mundo e a pior verdade tinham espaço lá. E quem diria?! Juntas davam um post ótimo! Aos poucos me acostumei com a sensação de ler pensamentos antigos e me achar ridícula. Aos poucos, gostei de me achar ridícula. Era um tanto quanto aliviante me ver assim, humana. Só foi preciso um empurrãozinho (agradeço isso ao primeiro namorado imprestável que tive) para desenrolar uma personagem dramática e humana, com meias coloridas e relacionamentos conturbados. Depois essa personagem virou outra diferente, outro namoro, outro caso, outro desejo… e outra meia. Me divirto muito escrevendo no meu espaço. É flexível, toma o tamanho e a forma que eu der a ele. Obediente – como todos os namorados deveriam ser. Claro – como todos os meus recadinhos rosas um dia já foram. E pesado – como todo o meu coração e a minha cabeça, juntos são.

agosto 24, 2009 at 10:41 pm 4 comentários


Hoje é dia…

agosto 2009
S T Q Q S S D
« jul   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Sofisticada no Twitter


%d blogueiros gostam disto: